Dica de filme – “Viver duas vezes”

Emílio é um ex-professor que sofre do mal de Azheimer. Após uma brilhante carreira universitária, sente a memória se deteriorar ao mesmo tempo que se torna cada vez mais obcecado por reencontrar Margarita, sua grande paixão da adolescência. Com o auxílio da filha, da neta e do genro parte para Navarra, onde supostamente a mulher se encontra.

O filme tem um roteiro bem trabalhado, apesar de explorar situações que levam às lágrimas. Mescla nostalgia a modernidade, dando destaque ao telefone celular e à prática do coaching (que sutilmente ironiza). O celular aparece como um vício (o genro e a neta de Emílio não o abandonam nem nas horas de refeição) e um indispensável instrumento da vida moderna. Em certo momento a garota diz ao avô que, no mundo atual, o celular é “um Deus”. Essa ajuda “divina”, de fato, será preciosa na busca por Margarita.    

“Viver duas vezes” é um filme sobre a passagem do tempo; a despeito da sua força inexorável, ela não apaga certas impressões. O velho professor de matemática tem na viagem rumo ao passado uma forma de se compensar do que não viveu por timidez e fixação nos estudos. Na sua memória, em que tudo vai se apagando, persiste a lembrança do sinal matemático do Infinito, símbolo da paixão timidamente partilhada entre ele e Margarita.

Engraçado e terno,“Viver Duas Vezes” é o segundo longa Netflix lançado no Brasil em 2020. Merece ser visto.

Publicado por Chico Viana

Chico Viana (Francisco José Gomes Correia) é professor aposentado da UFPB e doutor em Teoria da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em sua tese, publicada com o título de O evangelho da podridão; culpa e melancolia em Augusto dos Anjos, aborda a obra do paraibano com o apoio da psicanálise. Orientou cerca de 37 trabalhos acadêmicos, entre iniciação científica, mestrado e doutorado, e foi por dez anos pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). Desde muito jovem começou a escrever nos jornais de João Pessoa, havendo mantido coluna semanal em A União e O Norte. Publicou cinco livros de crônicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: