Uma variante desse aforismo poderia ser: o ódio é mais fiel do que o amor. Com ele Nelson exercita uma de suas marcas, que é o gosto pelo paradoxo, e ao mesmo tempo revela um profundo conhecimento sobre os homens. Um conhecimento cheio de ceticismo e desencanto. O inimigo não “trai”, mantém-se firme em seu malquerer. Já o amigo é incerto; a amizade, mais do que o seu oposto, sofre os efeitos da inconstância humana. A ausência de traição não significa, é claro, que o indivíduo deva cultivar inimigos. Pelo contrário, nos previne de que eles são perigosos. Entretanto a persistência com que praticam o seu rancor obriga-nos a vigiar o nosso comportamento. Ao contrário dos amigos, eles nunca perdoam.  Uma variante desse aforismo poderia ser: o ódio é mais fiel do que o amor. Com ele Nelson exercita uma de suas marcas, que é o gosto pelo paradoxo, e ao mesmo tempo revela um profundo conhecimento sobre o ser humano. Um conhecimento cheio de ceticismo e desencanto. O inimigo não “trai”, mantém-se firme em seu malquerer. Já o amigo é incerto; a amizade, mais do que o seu oposto, sofre os efeitos da inconstância humana. A ausência de traição não significa, é claro, que o indivíduo deva cultivar inimigos. Pelo contrário, nos previne de que eles são perigosos. Entretanto a persistência com que praticam o seu rancor obriga-nos a vigiar o nosso comportamento. Ao contrário dos amigos, eles nunca perdoam. 

Publicado por Chico Viana

Chico Viana (Francisco José Gomes Correia) é professor aposentado da UFPB e doutor em Teoria da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em sua tese, publicada com o título de O evangelho da podridão; culpa e melancolia em Augusto dos Anjos, aborda a obra do paraibano com o apoio da psicanálise. Orientou cerca de 37 trabalhos acadêmicos, entre iniciação científica, mestrado e doutorado, e foi por dez anos pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa (CNPq). Desde muito jovem começou a escrever nos jornais de João Pessoa, havendo mantido coluna semanal em A União e O Norte. Publicou cinco livros de crônicas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: