Namorar

Gosto da palavra “namorar”.  É um dos verbos mais puros da língua portuguesa. Mesmo quando por eufemismo designa outra coisa (a ligação entre amantes, por exemplo), “namorar” sugere mais ternura do que desejo. É uma palavra tão embebida em frescor adolescente, que deveria ser proibida aos que se relacionam num nível mais avançado. Os amantesContinuar lendo “Namorar”

Debate sobre a redação do Enem

Debate no estúdio da Rede Globo sobre a redação do Enem. A repórter Sônia Bridi mediou a troca de ideias entre os professores Chico Viana (UFPB, Curso Chico Viana), Agostinho Dias Carneiro (UFRJ), Claudio Cezar Henriques (UERJ), Wilton Ormundo (rede particular de São Paulo) e Osvaldo Arthur Menezes Vieira (rede particular de Porto Alegre). OsContinuar lendo “Debate sobre a redação do Enem”

Uma variante desse aforismo poderia ser: o ódio é mais fiel do que o amor. Com ele Nelson exercita uma de suas marcas, que é o gosto pelo paradoxo, e ao mesmo tempo revela um profundo conhecimento sobre os homens. Um conhecimento cheio de ceticismo e desencanto. O inimigo não “trai”, mantém-se firme em seuContinuar lendo

Queixas

Justificar-se e se queixar são duas atitudes perigosas. Muitos as praticam por uma espécie de automatismo, sem perceber o mal que fazem a si e aos outros. O excesso de justificativas supõe um eu carregado de culpa. Quem tem o tempo todo que se explicar vive sob a tirania alheia. Por medo de julgamentos negativos,Continuar lendo “Queixas”

Segundo Millôr, o que fazemos não pode ser apagado. Quando tentamos apagar, cometemos umas rasuras que terminam nos comprometendo mais. A emenda sempre é pior do que o soneto. Assim é a vida… Tudo fica registrado, sobretudo as falhas, os enganos, as mancadas que por inexperiência ou imperícia vimos a cometer. Mas esse aforismo tambémContinuar lendo

Notas sobre a pandemia (25)

Como o Brasil é o país do futuro, parece que deixamos para vivenciar amanhã o que outros países já enfrentaram em matéria de pandemia. Enquanto neles a curva de infecção decresce, entre nós ela só faz subir. É com uma ponta de inveja que vejo as pessoas invadirem as ruas na Itália e na França.Continuar lendo “Notas sobre a pandemia (25)”